Mogi melhora 6 posições em ranking do saneamento e tem 26º melhor serviço do País

Serviço Municipal de Águas e Esgotos

23 de julho de 2019
Acessibilidade

Mogi das Cruzes melhorou seis posições no Ranking de Saneamento 2019, elaborado pelo Instituto Trata Brasil e divulgado nesta terça-feira (23/07). O município passou do 32º lugar (ranking 2018) para o 26º, entre as 100 maiores cidades brasileiras. O estudo tem como base os dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), com a situação dos serviços de água e esgoto em 2017.

Das 25 cidades com melhor colocação que Mogi, somente 8 contam com sistema municipal de saneamento. Entre as autarquias municipais, portanto, o Semae de Mogi das Cruzes ficou em 9º lugar no País. Mogi também ficou à frente de 23 capitais, como Campo Grande (31º lugar), João Pessoa (32º) Belo Horizonte (34º) Porto Alegre (38º lugar) e Brasília (42º), entre outras.

O Semae vem investindo de forma constante na melhoria e ampliação dos serviços de saneamento. Além de grandes obras em andamento, como o Centro de Reservação Vila Moraes, Sistemas de Abastecimento de Água Jundiapeba e Oroxó, Esgotamento Sanitário do Botujuru e Cezar de Souza e Esgotamento sanitário em Sabaúna, outros grandes investimentos, já com recursos garantidos, farão com que a cidade continue avançando.

Em breve, a Prefeitura e o Semae investirão R$ 39 milhões em mais saneamento. As obras são a implantação de um sistema de esgotamento sanitário na Vila Nova Jundiapeba, reforma da Estação de Tratamento de Água (ETA) Centro e projeto para instalação dos coletores-tronco Jundiaí, Oropó e Santo Ângelo.

Dos três projetos, o mais adiantado é o do sistema de esgotamento sanitário Jundiapeba, cuja licitação está em andamento. O investimento previsto será de R$ 15.583.689,45, sendo R$ 11.968.756,83 de empréstimo da Caixa Econômica Federal e R$ 3.614.932,62 de contrapartida do Município.

Serão implantados 15 quilômetros de rede coletora de esgoto na Vila Nova Jundiapeba, 1.760 metros de coletor-tronco, 1.240 metros de linha de recalque (bombeamento) e uma estação elevatória de esgoto com vazão de 47 litros por segundo.

A população atendida será de 8 mil pessoas. As obras representarão um aumento de 6,9% no volume de esgoto tratado na cidade, passando dos atuais 61% para 67,9%. Especificamente em Jundiapeba e Nova Jundiapeba, o índice será superior a 90%, tanto coleta quanto tratamento – um dos melhores níveis da cidade.

Para reforma e ampliação da ETA Centro o investimento será de R$ 21.168.318,60, sendo R$ 20.070.231,60 de empréstimo da Caixa e R$ 1.098.087,00 de contrapartida. O objetivo é aumentar a capacidade de tratamento, solucionar problemas operacionais, modernizar as estruturas existentes e, consequentemente, melhorar a qualidade da água produzida.

Um dos principais benefícios da obra será o aumento de 71% na capacidade de tratamento de água, passando de 700 litros por segundo para 1.200 litros por segundo.

Por fim, a Prefeitura e o Semae investirão num projeto básico e estudos ambientais para implantação de coletores-tronco para a bacia do Rio Jundiaí. Serão destinados R$ 2.344.061,83 (R$ 2.185.911,21 da Caixa e R$ 158.150,62 de contrapartida).

O projeto será para implantação dos coletores-tronco Jundiaí, Oropó e Santo Ângelo, que somarão 16,7 quilômetros, passando pelos distritos de Jundiapeba e Braz Cubas. A instalação dos coletores possibilitará desativar as estações elevatórias de esgoto bruto Indonésia, Andiroba, Oceania, Tanzânia e Sapucaia, diminuindo o custo de operação do sistema de esgotamento sanitário do município.

Os coletores Jundiaí, Oropó e Santo Ângelo visam ao atendimento dos bairros Vila Jundiaí, Jardim Planalto, Residencial Cambuci, Residencial Mirage, Jardim Aeroporto, Jardim Layr, Jardim Santos Dumont, Conjunto Santo Ângelo, Porteira Preta, Conjunto Oropó, Vila Moraes e Conjunto São Sebastião.

A população atendida na área de abrangência é de 13 mil pessoas, mas a capacidade futura (considerando o crescimento populacional da região) é para 25 mil moradores.

A licitação para o projeto dos coletores será aberta em breve. Já o projeto da reforma e modernização da ETA Centro ainda passará por ajustes técnicos.

 

Tarifa

Mesmo com todos esses investimentos, o Semae de Mogi das Cruzes cobra a menor tarifa de água e esgoto para consumo residencial do Alto Tietê. Em Mogi, o valor é de R$ 37,63 (R$ 20,91 de água e R$ 16,72 de esgoto), enquanto nas demais cidades da região a tarifa é de R$ 52,36 (R$ 26,18 de água e R$ 26,18 de esgoto). (Julio Nogueira)