Abertas inscrições para visitas monitoradas à Ilha Marabá, Viveiro de Mudas e Parque Municipal

Secretaria do Verde e Meio Ambiente

21 de janeiro de 2022
facebook whatsapp
Acessibilidade

Os mogianos podem fazer inscrições para visitas monitoradas ao Núcleo Ambiental Ilha Marabá, no Mogilar, ao Viveiro Municipal, no Parque Leon feffer, e ao Parque Municipal Chiquinho Veríssimo. As visitas ocorrem durante a semana, em grupos reduzidos e com uso obrigatório de mascara. Os equipamentos são gerenciados pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente. 

O agendamento é feito pelos técnicos da secretaria, a partir de uma análise de demanda e da disponibilidade de horários, formando os grupos. O contato pode ser feito pelo telefone 4798-5959 ou pelo e-mail svma@mogidascruzes.sp.gov.br. As visitas são uma boa opção de lazer e educação ambiental para os mogianos.

Na Ilha Marabá, as pessoas assistem a uma palestra sobre o ecossistema da várzea do Tietê e percorrem a trilha que dá acesso às margens do rio. Já no Viveiro Municipal, os visitantes conhecem o espaço e as diferentes espécies existentes no local – são cerca de 25 mil mudas.

Outra opção de visita monitorada é ao Parque Municipal Chiquinho Veríssimo. Ela começa com uma pequena palestra, na qual os participantes aprendem um pouco sobre a história do espaço e da Serra do Itapeti. Em seguida acontece a trilha, considerada de média complexidade e com cerca de 1,5 quilômetro de extensão.

A recomendação é para que os participantes venham com calça comprida, além de calçados fechados e confortáveis. Além disso, é importante levar repelentes, protetor solar, lanche e água. No parque existem cerca de 300 espécies de aves identificadas, além de 40 tipos de mamíferos.

Feira Agroecológica

Na Ilha Marabá ocorre a Feira Agroecológica, que desde o dia 6 de novembro acontece todos os sábados. A iniciativa é fruto de uma parceria entre as Secretarias Municipais de Agricultura, Cultura e Verde e Meio Ambiente, além da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CATI/CDRS). A feira atende a uma demanda por produtos orgânicos e é a primeira com este perfil na cidade. O objetivo estimular o desenvolvimento sustentável por meio da produção agrícola orgânica, agroecológica ou em transição.

Os visitantes encontram na feira barracas de hortifrutis, produtos agroecológicos, em transição agroecológica, orgânicos, mel e derivados, panificação e confeitaria, bem como artesanato. Os feirantes foram selecionados por meio de chamamento público. A prática da agroecologia consiste na produção sustentável, sem emprego de transgênicos ou agrotóxicos e considerando todo ecossistema envolvido, incluindo os componentes ecológicos, socioculturais, técnicos e econômicos.